Capitão sem faixa, Renato Augusto vira “guardião” e vai rever jogo do ouro

0
Miranda contra o Equador, Daniel Alves diante da Colômbia, e será outro o capitão da seleção brasileira no dia 6 de outubro, diante da Bolívia, em Natal. Tite vai fazer a braçadeira rodar, e um dos candidatos a receber a honraria é Renato Augusto, sujeito que se transformou numa espécie de “guardião” da equipe em razão de sua experiência e da capacidade de se expressar. Aquele discurso que às vezes nada mais é do que um clichê, de que não é preciso ter a faixa para ser capitão, serve bem ao meia. Desde a época do Corinthians, ele alerta Tite quando algo não está bem encaixado taticamente ou se uma mudança de posicionamento pode fazer bem à equipe. Renato Augusto é o capitão sem faixa. Foi assim também na Olimpíada, quando recebeu de Rogério Micale a incumbência de ser, muitas vezes, o primeiro volante, o homem de meio-campo mais recuado da equipe. Antes, no esquema tático que não deu certo, ele solicitou ao técnico jogar como centroavante diante do Iraque, durante o segundo tempo, pois enxergou ali uma lacuna que poderia preencher. Micale aceitou, e Renato Augusto quase fez o gol da vitória no finalzinho. No último sábado, o meia recebeu a gravação da final olímpica contra a Alemanha, em que ele foi um dos melhores em campo. Pelo menos é isso que ele ouve desde então. Renato não faz a menor ideia do que aconteceu naqueles 120 minutos, mais os pênaltis, no Maracanã. – Cara, normalmente eu consigo ter a leitura do que acontece em campo, mas dessa vez eu não faço a menor ideia. Não lembro de nada, é como se eu estivesse... Não sei, não sei se joguei bem. Esse jogo eu quero rever – disse após a medalha de ouro. As conversas com Tite quando foi seu jogador na equipe paulista enriqueceram o entendimento de futebol de ambos. No esboço do time que conquistou o Brasileirão, lá no início de 2015, na cabeça do técnico, Renato Augusto jogaria aberto no meio-campo, enquanto Jadson ficaria centralizado. Por força das circunstâncias, ele precisou inverter num jogo, e deu tão certo que nunca mais pensou em mexer. Renato já havia sido homem de lado, centroavante, 10 clássico. Hoje tem o que a comissão técnica chama de domínio total do setor em que atua, o meio-campo. – No futebol moderno quem ganha o jogo é o meio-campo, se o meio não lutar você vai perder – decretou o atual camisa 8 da Seleção. Atento a tudo que acontece ao seu redor, desde a chateação de Neymar durante a Olimpíada, que valeu uma visita do meia em seu quarto, até o duelo de jogadores de linha e goleiros ou as brincadeiras que renderam, por exemplo, um abraço bem-humorado no volante Casemiro no último treino antes do jogo desta terça-feira, Renato Augusto, aos poucos, se transforma naquele jogador que nunca estará na lista dos mais exuberantes, mas dificilmente será esquecido pelo técnico nas convocações. Brasil x Colômbia Local: Arena da Amazônia, em Manaus Data e horário: terça-feira, às 21h45 (horário de Brasília) Escalação: Alisson, Daniel Alves, Marquinhos, Miranda e Marcelo; Casemiro; Paulinho, Renato Augusto, Willian e Neymar; Gabriel Jesus. Desfalques: ninguém. Pendurados: Daniel Alves, Filipe Luis, Lucas Lima, Miranda e Paulinho Arbitragem: Patrício Lousteau (ARG), Iván Nuñez (ARG) e Gustavo Rossi (ARG). Transmissão: TV Globo (com Galvão Bueno, Casagrande, Junior e Arnaldo Cezar Coelho) e SporTV (com Luiz Carlos Jr e Mauricio Noriega). O GloboEsporte.com também transmite ao vivo, a partir das 20h, e acompanha em Tempo Real.

Agência da notícia

SEM COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA